Psicologia

Atenção às escolhas: elas modelam nossas vidas

Atenção às escolhas

“Nossas atitudes e escolhas impensadas não nos punem ou castigam. O que acontece é que cada ação traz resultados coerentes de acordo com o que foi feito e escolhido por cada um, não podendo ser diferente a ação do resultado”

Você está satisfeito com a sua vida atual e com o resultado de suas escolhas?

Você já parou para refletir sobre as consequências de suas decisões, mesmo aquelas mais simples e aparentemente sem importância?

Você sabia que uma única decisão gera consequências em cascata através de desdobramentos de fatos que muitas vezes não estará mais sob o seu controle de ação e decisão?

Você acredita ter discernimento para escolher todos os aspectos de sua vida?

A sua vida hoje é consequência de suas escolhas anteriores, incluindo comportamentos, sentimentos, posturas e atitudes com relação a você e aos outros, bem como da sua percepção acerca dos fatos e da leitura que faz do seu ambiente. Caso não esteja satisfeito com sua vida atual, este é o momento pra refletir sobre suas decisões e rever comportamentos e atitudes disfuncionais que levaram inevitavelmente ao erro em suas escolhas.

Dizem que errar é humano. Mas, o que é o erro?

Podemos considerar “erro” toda ação (ou inação) que é capaz de gerar sofrimento direto ou indireto a nível pessoal, interpessoal e relacional. Sendo assim, decisões precipitadas, negligentes, egoístas, incorretas, inconsequentes ou inconscientes podem explicar muitos dos nossos sofrimentos e situações desagradáveis ou impactantes na nossa realidade atual, nas quais não fomos suficientemente vigilantes e que inevitavelmente retornará a nós mesmos, pois foram frutos das nossas ações equivocadas perante a vida, a longo ou curto prazo, podendo o resultado de uma escolha perdurar por tempo determinado ou indeterminado, dependendo do caso.

Reconhecer e tentar reparar o erro através dos recursos disponíveis é o ponto-chave pra iniciarmos uma reforma de vida, a fim de definirmos um novo destino, uma nova conduta, uma nova estrada e assim reescrevermos a nossa estória, desta vez mais experientes. Para este fim, é necessária uma “auto reforma”.

A auto reforma ou reforma pessoal requer comprometimento na mudança e sempre se inicia com a auto-observação , bem como de ações e atitudes simples, mas significativas e bem direcionadas após a devida reflexão sobre os pontos que necessitamos mudar e aqueles que precisamos reforçar; não obstante refletir sobre os nossos conceitos, as nossas ações, pensamentos e sentimentos, de modo a crescermos com as situações difíceis da vida, mas também e principalmente converter cada erro em aprendizado, pois neste processo podemos promover crescimento pessoal e espiritual, através da conscientização das consequências de nossos atos e do desenvolvimento do sentimento de responsabilidade e reparação.

Reflexão transmutativa:

Precisamos estar muito atentos às nossas atitudes para que não cometamos os mesmos erros, as mesmas falhas. Este exame de consciência é crucial no aprimoramento do nosso ser, pois nunca podemos dizer que somos vitimas do destino nem que somos injustiçados pela dor. O fato é que nossas atitudes e escolhas impensadas não nos punem ou castigam.

O que acontece é que cada ação traz resultados coerentes de acordo com o que foi feito e escolhido por cada um, não podendo ser diferente a ação do resultado, Sendo assim, você é livre pra escolher o que deseja pra sua vida. No entanto,escolher exige responsabilidade e sacrifícios. Sacrificar algo ou algum aspecto às vezes significativo. Não podemos ter tudo, mas é necessário fazer escolhas com discernimento, antevendo sempre as possíveis consequências.

Abraços transmutadores,

Soraya Rodrigues de Aragão

Nota: Os Direitos Autorais no Brasil são regulamentados pela Lei Lei 9.610 . A violação desses direitos está prevista no artigo 184 do Código Penal. Este artigo pode ser publicado em outros sites, citando o autor, bem como a fonte.

Sobre a autora

Soraya Rodrigues de Aragão

Psicóloga, psicotraumatologista, Expert em Medicina Psicossomática e Psicologia da Saúde. Escritora e palestrante. Em processo de Formação em Terapia de casal e violência conjugal.

Equivalência do curso de Psicologia na Itália resultando em Mestrado. Especializou-se em Psicotraumatologia pela A.R.P. de Milão e em Medicina Psicossomática e Psicologia da Saúde - Universidad San Jorge (Madri) e Sociedad Española de Medicina Psicosomática y Psicoterapia.

Sócia da Sociedade Italiana de Neuropsicofarmacologia e membro da Sociedade Italiana de Neuropsicologia. Autora do livro Fechamento de Ciclo e Renascimento: este é o momento de renovar a sua vida. Edições Vieira da Silva, Lisboa, 2016; e do Livro Digital: "Transtorno do Pânico: Sintomatologia, Diagnóstico, Tratamento, Prevenção e Psicoeducação. É autora do projeto «Consultoria Estratégica em Avaliação Emocional».

Comentários

  • Olà Sandra, boa noite. Antes de tudo seja bem vinda e obrigada por comentar. Respeito sua opiniao, mas nao concordo. Vou fundamentar meu ponto de vista com situaçoes corriqueiras, cotidianas. Se uma pessoa mata, rouba ou faz qualquer coisa que possa ferir o direito de outrem, certamente nao serà tao diferente pra todas as pessoas. Poderemos diante destas atitudes antever os resultados. Por outro lado, atitudes positivas também poderao ser previstas pela mesma linha de raciocinio exposta. Abraços.

Deixe uma resposta