paz Reflexões Psicológicas

Sobre a paz que desejamos

 

“Para a paz que desejamos, estamos de fato fazendo a nossa parte ou querendo a nossa parte? “

Durante o processo de subjetivação da humanidade, o homem buscou a paz nas contingencias do mundo, no que este pode oferecer para proporcionar bem estar e harmonia. Mas, estamos oferecendo o nosso contributo para essa paz que queremos?

Tudo o que ocorre no mundo externo é uma projeção do nosso mundo interno. Na prática, não existe uma separação entre interno e externo, entre individual e coletivo. Vivemos uma dicotomia acreditando que tudo é separado. Na realidade, todas as questões sociais que perpassam a humanidade são a manifestação, a “materialização” de nossos conteúdos, de nossas questões e de nossos conflitos. A paz, como qualquer outro aspecto, deve ser compreendida como processo interrelacional, onde existe interligação entre fatos e pessoas, de como somos e estamos no mundo e de suas manifestações.

A questão crucial é que jamais encontraremos a paz fora de nós, pois esta nasce de um movimento interno e se manifesta em nossas relações a partir das contribuições que fazemos para a materialização da proposta de mundo que desejamos. No entanto, sempre “nadamos contra a maré” da verdadeira paz. Ainda não a vivenciamos, pois o “eu quero”, o “eu sou”, o “eu tenho” e todo o movimento do ego que dissocia o homem do próprio homem é gerador de conflitos e isto não é um fenomeno social atual. Em seu percurso existencial, o homem sempre apresentou atritos de todas as espécies, sendo observados comportamentos e condutas característicos geradores de contendas em qualquer época, cultura, território ou espaço social e por motivos vários. Sempre houve conflito, o homem nunca soube viver em paz, embora deseje a paz.

Reflexão transmutativa:

Ultimamente observa-se um processo crescente de espiritualização, contemporaneamente a tanto egocentrismo. Estamos de fato nos espiritualizando ou se trata apenas de uma “persona” social para maquiar o mal estar generalizado Estamos de fato fazendo a nossa parte ou apenas querendo a nossa parte? Não precisamos somente dar um sentido de paz à nossa vida, mas sobretudo encontrar um sentido de paz no mundo em que vivemos, oferecendo o nosso contributo, pois como disse Mahatma Gandhi: “Seja você a mudança que deseja ver no mundo”.

E como tudo é uma construção, para a paz não é diferente.

Abraços transmutadores,

Soraya Rodrigues de Aragao

© Copyright 2016 Todos os direitos reservados.

Os Direitos Autorais no Brasil são regulamentados pela Lei Lei 9.610 . A violação desses direitos está prevista no artigo 184 do Código Penal. Este artigo pode ser publicado em outros sites, citando o autor, bem como o site alquimiadavida.org

Sobre a autora

Soraya Rodrigues de Aragão

Psicóloga, psicotraumatologista, Expert em Medicina Psicossomática e Psicologia da Saúde. Escritora e palestrante. Em processo de Formação em Terapia de casal e violência conjugal.

Equivalência do curso de Psicologia na Itália resultando em Mestrado. Especializou-se em Psicotraumatologia pela A.R.P. de Milão e em Medicina Psicossomática e Psicologia da Saúde - Universidad San Jorge (Madri) e Sociedad Española de Medicina Psicosomática y Psicoterapia.

Sócia da Sociedade Italiana de Neuropsicofarmacologia e membro da Sociedade Italiana de Neuropsicologia. Autora do livro Fechamento de Ciclo e Renascimento: este é o momento de renovar a sua vida. Edições Vieira da Silva, Lisboa, 2016; e do Livro Digital: "Transtorno do Pânico: Sintomatologia, Diagnóstico, Tratamento, Prevenção e Psicoeducação. É autora do projeto «Consultoria Estratégica em Avaliação Emocional».

Deixe uma resposta